O poeta também escreve sobre felicidade

Sorrio desgraçadamente
de modo que meus músculos
tremem
e meus ossos
estalam
cantando surpresa.

Um sopro de não sei o que
que nasce de um ventre puro,
esse contentamento
que sinto ao abrir os olhos,
cortinas antigas e vermelhas.

É essa pureza
que chamo de satisfação,
esse dente torto
que em meu sorriso
também canta a surpresa.

Hoje a água molha as ruas,
os pés infantis,
que correm para suas mães,
em uma claridade
infinita.

Hoje as rosas brilham para mim.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s